quarta-feira, 11 de abril de 2012

Em Quem Temos Crido?

Nas últimas décadas, pelo menos nos últimos 50 ou 60 e poucos anos a humanidade deu um salto atrás do outro, foram tantas mudanças e tendências, não apenas na maneira de se vestir, mas em tudo, tecnologia; medicina; industria; robótica; informática; a internet; relacionamentos; sociedade e religião; sem dúvida ainda estamos mudando e muito mais rápido. 

- O problema é que o evangelho também mudou, e não foi pra melhor, não. - 

Não estou aqui usando de demagogia ou psicologia barata, também não estou falando de alterações no texto sagrado (embora já haja vários evangelhos deturpados por ai à fora), eu me refiro não ao que está escrito no evangelho, mas em como (nós crentes do mega-mundo de 7 bilhões de pessoas)  estamos vendo este evangelho. - Em quem temos crido? - Este evangelho de televisão e rádio que na sua maioria é (tirando um ou dois programas) comércio da fé, visando o ter e não ser, e o auto enriquecimento; este não é o evangelho de cristo. O evangelho das bençãos por 1,99, dos dogmas hipócritas, das mandingas e superstições, da arruda e do sal grosso, não são o evangelho de cristo. O evangelho mudou não o escrito, mas o que as pessoas praticam; o evangélico mudou e não estou falando de usar calças ou cortar cabelos (isso não vale o tempo escrevendo). Estou falando de como e em quem o evangélico de hoje tem crido. Hoje cremos em super pastores; em rituais de prosperidade; em mercados de benção; não temos um santinho na carteira, mais idolatramos cantores e artistas; fanáticos não por Jesus (o que seria mais compreensível) mas por essa ou aquela denominação, esse ou aquele pregador, e assim por diante; cremos na superficialidade da palavra e não em sua ação transformadora. - É claro que ainda existe o bom e fiel servo de Jesus Cristo, e deixando a humildade de lado, me alegro de fazer parte desse grupo de seguidores de Cristo. - O que gera maior decepção com este tempo não saber que fomos alertados por Jesus sobre estes dias, mas ver que há uma carência tão grande de verdade neste mundo que as pessoas acabam crendo em tudo, tentando agradar a todos os senhores que lhe são presentados. Tem muitos lobos no rebanho; e é cada dia mais duro sustentar a fé no puro e simples evangelho de Jesus Cristo.
Temos de voltar as raízes; a chamada 'igreja' precisa reencontrar sua fé no Filho de Deus, não nos pastores, não nas instituições, não nos artistas gospel, mas em Jesus o Filho do Deus bendito! 
Vamos olhar novamente para o evangelho como ele é, e não que fica melhor para um ou outro; devolva a autoridade a quem tem-na por direito (Jesus, a Bíblia); voltemos a alimentar-nos com o leite racional que a Palavra de Deus. "Coma esta palavra!"
Sejamos imitadores de Cristo, como Paulo e os apóstolos foram, e não nos deixemos enganar por este presente século, pois já é chegado o entardecer e dia da vinda do Senhor está asa portas.